quarta-feira, 21 de maio de 2014

técnico-administrativos da UnB, em greve, interditam via na manhã de hoje

Técnico-administrativos da UnB (Universidade de Brasília) interditaram, nesta manhã, duas vias da L3 Norte que dão acesso à entidade. Eles estão em greve há mais de 60 dias. Os funcionários atearam fogo a pneus e galhos para interditar a passagem dos veículos. Foi preciso chamar o Corpo de Bombeiros. O bloqueio durou três horas e deixou o trânsito intenso na L2 e na L4.
O coordenador nacional da Federação dos Trabalhadores Técnico-Administrativos das Universidades Federais, Gibran Jordão, disse que o movimento questiona a falta de acordo com o governo federal. "Enquanto o governo radicaliza a sua intransigência e não negocia, nós vamos cada vez mais radicalizar nossas ações para exigir a abertura de negociações."
A categoria cobra do governo o cumprimento de um acordo feito em 2012. Os servidores também pedem o aprimoramento da carreira, mudanças na jornada de trabalho e a instalação de creches nas universidades.
O Ministério do Planejamento informou que está negociando com os grevistas e ressaltou que tem um acordo vigente até 2015.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Enem registra 4,5 milhões de candidatos inscritos; prazo termina sexta-feira



A edição de 2014 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) registrou 4.522.859 candidatos até as 19 horas desta segunda-feira, 19. As mulheres são maioria: 2.676.384 já se inscreveram. Os homens, até agora, são 1.846.475.

É importante que os candidatos façam a inscrição com antecedência, em horários com menor número de acessos ao sistema — no início da manhã, até as 9 horas; à tarde, entre 14 e 17 horas; à noite, após as 21 horas.

     A nota obtida no Enem é critério de acesso à educação superior, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e do Programa Universidade para Todos (ProUni). É também requisito para obtenção do benefício do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), participação no programa Ciência sem Fronteiras e em seleções para bolsas de graduação-sanduíche da Coordenação de aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).


Também com a nota do Enem o estudante pode se candidatar ao ingresso em vagas gratuitas de cursos técnicos oferecidos pelo Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec).

Estudantes maiores de 18 anos podem obter a certificação do ensino médio por meio do exame.

O Enem de 2014 será realizado em 1.699 municípios. Tanto no sábado, 8 de novembro próximo, quanto no domingo, 9, os portões de acesso aos locais de provas serão abertos às 12 horas e fechados às 13 horas, também de acordo com o horário de Brasília.

Os procedimentos, passo a passo, para a inscrição estão disponíveis on-line. Antes e durante o período, os candidatos podem acompanhar todo o processo na página do Enem na internet.

segunda-feira, 19 de maio de 2014

Como planejar os estudos para um concurso público


Vamos começar este texto com alguns questionamentos básicos, elementares, mas fundamentais para quem está se preparando para concursos públicos: (1) você tem um programa a seguir? (2) sendo positiva a resposta, este programa foi estruturado por você, ou simplesmente adotou o que foi previsto no último edital? (3) independente da resposta, já leu por completo este programa? (4) já refletiu sobre este programa? (5) criou algum tipo de organização do programa?

Pois bem, o objetivo do presente texto é tecer algumas considerações sobre o que resolvi chamar de organização inteligente do programa da preparação para o concurso público.

Para tanto, é indispensável começarmos pela compreensão do é o programa da preparação para o concurso público. Em termos concretos e práticos, significa oconjunto de matérias e conteúdos correspondentes a estas matérias a serem estudados. Em termos conceituais, consiste em todo o objeto de conhecimento a ser estudado, isto é, a ser intelectualmente apropriado pelo candidato, ao longo de seu processo de preparação.

A maioria dos candidatos que se dão ao trabalho de levantar um programa a ser estudado – os quais já estão num patamar avançado, pois muitos não fazem nem isto, simplesmente pegam o programa publicado no edital. Aqueles que trabalham com metas genéricas, seguindo a mesma lógica, fazem um mix de programas.

Porém, as organizadoras de concursos públicos não contam com qualquer compromisso com a estruturação lógica e adequada do programa. Muitas vezes a impressão que tenho é que publicam um programa confuso e logicamente desestruturado exatamente para atrapalhar os candidatos.

Independente da forma como o programa é publicado, é importante que o candidato promova a estruturação do seu programa de forma inteligente. E não há dúvida de que esta atitude já é um passo importante na preparação para o concurso, pois se trata de um primeiro contato com aquilo que será estudado ao longo das próximas semanas, meses ou talvez anos.

Para a estruturação do programa considero relevante a adoção de dois critérios fundamentais. O primeiro consiste na idéia da fragmentação racional e o segundo consiste na lógica seqüencial.

O critério da fragmentação racional significa procurar segmentar de forma razoável e racional o conjunto de conteúdos de cada matéria. Muitas vezes a organizadora publica no edital como um único item um enorme conjunto de conteúdos, sendo que não faria sentido estarem juntos, em termos razoáveis e racionais, inclusive por se tratar de uma grande quantidade de conhecimentos e informações.

Daí a pergunta que se faz é: tudo bem, mas qual é o limite? Resposta: o limite é orazoável no sentido de não se fragmentar tanto, a ponto de tornar difícil o gerenciamento, criando uma enorme quantidade de itens para cada matéria, e não deixar que seja tão grande, a pondo de parecer quase uma sub-matéria.

Vale esclarecer que esta idéia da fragmentação conta com uma série de fundamentos, tanto no plano gerencial, quanto no plano psicológico. Inclusive, esta idéia tem suas bases na andragogia, campo do conhecimento voltado ao estudo da aprendizagem de adultos, o qual se difere da pedagogia, centrado na aprendizagem de crianças. (para mais fundamentos sobre o tema clique aqui)

O outro critério importante consiste na observância da lógica seqüencial. Quando a organizadora publica o edital não há compromisso com a organização do programa conforme uma seqüência lógico-conceitual. Isto é relevante inclusive por uma questão de prejudicialidade, ou seja, existem temas que necessariamente devem ser estudados antes que outros.

Portanto, ao organizar o seu programa de forma inteligente, além de promover a fragmentação racional, é importante sequenciar de forma lógica, inclusive identificando o que tem precedência, isto é, qual tema deve ser estudado antes de qual.

Organizado o programa, o candidato passa a contar com uma série de benefícios, tais como:
- tem uma visão mais clara do que será estudado;
- passa a ter condições de perceber como avança;
- cria condições para gerenciar a execução dos estudos, inclusive tendo uma noção mais precisa do que falta para terminar;
- tem melhores condições de dar feedbacks quanto aos itens estudados.

Isto significa gerenciar os estudos de forma mais adequada e com mais precisão. Também significa contribuir com a gestão emocional, ao permitir que se visualize mais claramente os resultados dos esforços empreendidos.

Para os usuários do Sistema Tuctor, existem dois mecanismos relevantes que contribuem com a adoção do Programa Inteligente.

O primeiro consiste na ferramenta da Up Load do Programa. Com este mecanismo o usuário organiza seu programa em arquivo do tipo bloco de notas, faz o up load do arquivo na sua conta de estudos e o Tuctor separa todos os itens fragmentados pelo usuário, os tratando como unidades de conteúdos a serem gerenciadas.

Além disto, na Alimentação da Conta de Estudos o candidato informa os itens estudos. A partir daí passa a ter uma visão mais clara de como avança com os indicadores e gráficos do Extrato da Conta de Estudos.

Porém, independente dos meios adotados, o fundamental é tratar de forma inteligente o programa de estudo. E assim, contribuir com as condições gerenciais e emocionais da execução da preparação para o concurso público.

sexta-feira, 16 de maio de 2014

O que faz um bom professor?


imagem de uma professora dando aula

O que significa saber muito bem o que se ensina? No Brasil, cultuamos o diploma – quanto mais títulos, melhor a pessoa é avaliada e melhor será sua remuneração. As evidências mostram que essa é uma política equivocada: títulos nada têm a ver com a qualidade, desempenho ou impacto do professor. Nem mesmo o nível de conhecimento mais elevado tem impactos positivos sobre o aluno. Na verdade, é mais comum o contrário. Se o professor é mais motivado para a pesquisa científica e conhece os assuntos num nível de elaboração muito elevado, ele tende a usar uma linguagem que não se presta ao ensino de crianças e jovens.


Saber o que ensinar significa dominar a fundo os conteúdos e o que está por trás deles. É muito mais importante um professor de séries iniciais saber o que está por trás do conceito de propriedade aditiva da multiplicação ou onde reside a dificuldade dos alunos para entender o princípio de multiplicar frações, por exemplo, do que esse professor saber calcular derivadas ou rodar matrizes mentalmente. É muito mais importante que ele saiba como ajudar as crianças a usar e interpretar o sentido de pronomes numa frase ("A mãe dela disse que ela era pobre": quem era pobre, ela ou a mãe dela?) do que conhecer a fundo a gramática histórica ou as teorias linguísticas mais avançadas. Deu para entender?

No caso da educação infantil esses conhecimentos são bem mapeados: o professor precisa conhecer tão a fundo quanto possível a psicologia do desenvolvimento, saber utilizar estratégias adequadas para promover o desenvolvimento e saber interagir de forma adequada com as crianças. Além disso precisa ter um bom domínio da língua, um vasto conhecimento da literatura infantil e saber onde localizar recursos. O professor precisa dominar alguns poucos conceitos, mas de forma precisa. Precisa saber os fundamentos, mas não reverenciar teorias ou cultuar os seus proponentes. E, sobretudo, precisa de muita prática.

No caso das séries iniciais do ensino fundamental o professor precisa conhecer a fundo os conteúdos que ensina, as dificuldades mais comuns dos alunos e as razões pelas quais eles têm essas dificuldades. Esses conhecimentos são bem mapeados em algumas áreas, como a da alfabetização de crianças ou do ensino de matemática para as séries iniciais.

No caso das séries finais, um indicador prático é que o professor tenha um conhecimento amplo e preciso das disciplinas que leciona, e um conhecimento um pouco mais avançado dos conteúdos do ensino médio para saber o que o aluno fará com esses conhecimentos. Nessas séries o professor precisa saber contar boas histórias, apresentar sua disciplina em forma de narrativas que envolvam e capturem a atenção de seus alunos.

O governo federal e as faculdades que formam professores no Brasil ainda não se dispuseram a preparar esse tipo de professor para as redes de ensino. Ao invés de propor currículos rigorosos para os cursos, o Ministério da Educação patrocina exames que valorizam mais conhecimentos genéricos e adesão a determinadas ideologias. As faculdades, por sua vez, raramente possuem docentes que conhecem a linha de frente, e limitam-se, nos melhores casos, a compartilhar conhecimentos teóricos nem sempre atualizados.

O que podem os municípios fazer? Aqui há solução, e a solução é simples: elaborar testes de seleção em que os professores demonstrem os conhecimentos sobre o que vão ensinar. Também devem informar às faculdades que formam esses candidatos sobre o que vai cair no exame e sobre os resultados obtidos. Em pouco tempo as universidades se adaptarão às necessidades dos prefeitos. E em alguns anos começarão a chegar jovens preparados para o exercício do magistério.

Prévia do PIB' tem aumento de 0,29% no primeiro trimestre de 2014



O nível de atividade da economia brasileira iniciou o ano de 2014 com pequena aceleração, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira (16) pelo Banco Central.

O Índice de Atividade Econômica do BC, o IBC-Br - um indicador criado para tentar antecipar o resultado do PIB pela autoridade monetária - registrou aumento de 0,29% no primeiro trimestre deste ano, sobre os três últimos meses de 2013. Neste caso, a comparação foi feita pelo indicador dessazonalizado.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2013, ainda de acordo com informações do BC, sem ajuste sazonal (considerado mais apropriado, neste caso, por especialistas), o avanço do IBC-Br foi um pouco maior: de 1,56%.

O resultado oficial do PIB do primeiro trimestre será conhecido somente no dia 30 de maio, em divulgação que será feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Resultado de março
Apesar da alta no primeiro trimestre deste ano, os números do IBC-Br, divulgados pelo Banco Central, indicam que a economia brasileira teria desacelerado em março deste ano - quando o indicador teve retração de 0,11% frente ao mês anterior. Em fevereiro, houve pequena expansão de 0,02% na comparação com o mês anterior. Em janeiro, por sua vez, o indicador avançou 1,47% - impulsionando o resultado do primeiro trimestre de 2014.

Recessão técnica

Números revisados pelo Banco Central sobre o IBC-Br do ano passado indicam que a economia brasileira poderia ter entrado em recessão técnica no fim de 2013 - fenômeno que se caracteriza por dois trimestres consecutivos de queda do PIB. Entretanto, os números que poderiam "oficializar" a recessão são somente do IBGE - e não do Banco Central.

No quarto trimestre do ano passado, ainda de acordo com a autoridade monetária, o IBC-Br, que busca ser uma prévia do PIB, registrou uma retração de 0,04%. Os números mostram ainda que, no terceiro trimestre do ano passado (entre julho e setembro de 2013), a economia brasileira também teria registrado contração - neste caso, de 0,24%.

Resultados do IBC-Br x PIB
O IBC-Br foi criado para tentar ser um "antecedente" do PIB. O índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, a indústria e o setor de serviços, além dos impostos. Os últimos resultados do IBC-Br, porém, não têm mostrado proximidade com os dados oficiais do PIB, divulgados pelo IBGE.

Em 2012, por exemplo, o IBC-Br mostrou um crescimento de 1,6%. Posteriormente, o resultado oficial do PIB mostrou uma alta menor, de 1%. O mesmo aconteceu no primeiro, no segundo e no terceiro trimestres de 2013. Entre julho e setembro do ano passado, o indicador teve retração de 0,21%, mas o PIB caiu mais – 0,5%.

O Banco Central já avaliou, em 2013, que o IBC-Br não seria uma medida do PIB, mesmo que tenha sido criado para tentar antecipar o resultado, mas apenas "um indicador útil" para o BC e para o setor privado. "Se o IBC-Br acertasse na mosca é que seria surpreendente", afirmou o diretor de Política Econômica da entidade, Carlos Hamilton, no fim de 2012.

IBC-Br
Antes divulgado por estados e por regiões, desde o início do ano passado o indicador passou a ser calculado com abrangência nacional. O índice do BC incorpora estimativas para a agropecuária, indústria e setor de serviços, além de impostos.

"A estimativa do IBC-Br incorpora a produção estimada para os três setores da economia acrescida dos impostos sobre produtos, que são estimados a partir da evolução da oferta total (produção mais importações)", explicou o Banco Central.

Definição dos juros
O IBC-Br é uma das ferramentas usadas pelo Banco Central para definir a taxa básica de juros (Selic) do país. Com o menor crescimento da economia, por exemplo, teoricamente haveria menos pressão inflacionária. Atualmente, entretanto, os juros básicos estão em 11% ao ano, após nove elevações desde abril do ano passado.

Pelo sistema de metas de inflação que vigora no Brasil, o BC precisa calibrar os juros para atingir as metas preestabelecidas. Para 2014 e 2015, a meta central de inflação é de 4,5%, com um intervalo de tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Desse modo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerada a inflação oficial do país e medida pelo IBGE, pode ficar entre 2,5% e 6,5%, sem que a meta seja formalmente descumprida.

A expectativa do mercado financeiro é que os juros básicos da economia sejam mantidos inalterados no atual patamar de 11% ao ano. Isso porque o BC sinalizou, na ata da última reunião do Copom, que poderia interromper o ciclo de alta da Selic, tese que foi reforçada posteriormente por declarações do presidente da autoridade monetária.


quinta-feira, 15 de maio de 2014

Enem contabiliza mais de 1,8 milhão de inscritos até as 20h de quarta-feira

Até as 20h de quarta-feira, 14, 1.873.044 pessoas se inscreveram no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2014. O prazo termina às 23h59 do dia 23 de maio.
A recomendação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) é de que o participante não deixe para se inscrever no último dia e o faça em horários com menor procura, como pela manhã até as 9h, entre 14h e 17h e após 21h.
A nota do Enem é utilizada como critério para acesso ao ensino superior, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e do Programa Universidade para Todos (ProUni).
Além disso, a participação na prova é requisito para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), participação no programa Ciência sem Fronteiras, seleção para bolsas de graduação-sanduíche da Capes ou ingresso nas vagas gratuitas dos cursos técnicos oferecidos pelo Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec). Estudantes maiores de 18 anos podem obter a certificação do ensino médio por meio do Enem.
O Enem será realizado nos dias 8 e 9 de novembro, com início às 13 horas (de Brasília). Os portões de acesso aos locais de provas serão abertos às 12 horas e fechados às 13 horas, também de acordo com o horário de Brasília.

Administração, marketing e direito lideram demanda de vagas de estágio

O Nube informa nesta quinta-feira (15), que as empresas estão disponibilizando um grande número de vagas para alunos dos cursos de administração, direito, marketing e arquitetura.
Além disso, existem  oportunidades são para estudantes do ensino médio, técnico e tecnólogo, dos períodos matutino e noturno. Há também oportundiades para estudantes de cursos técnicos que devem horas de estágio obrigatório. As bolsas-auxílio variam de R$ 700 a R$ 1771.

Os interessados podem se cadastrar gratuitamente pelo site do Nube. Confira lista com algumas vagas.